Festa popular celebrou valores da Revolução de Abril

Festa popular celebrou valores da Revolução de Abril

Uma festa popular com actividades lúdicas-desportivas, jogos tradicionais e actuação de diversos grupos musicais afectos a várias colectividades locais marcaram as comemorações do 39º aniversário da Revolução da Abril na Quinta do Conde, organizadas pela Junta de Freguesia e pela Câmara Municipal de Sesimbra.

Realizada no Parque da Vila e mobilizando, ao longo de todo o dia, associações, clubes desportivos e escolas da freguesia, a iniciativa concitou o interesse de alguns milhares de quintacondenses conferindo, assim, às comemorações, a dimensão humana que a efeméride merece e reclama, sobretudo, por ocorrer num tempo em que se constata, de forma gritante, o acentuar das desigualdades sociais, devido à austeridade imposta a qualquer preço aos portugueses.

Realçando a expressiva adesão popular que as festividades registaram, Vítor Antunes, presidente da Junta de Freguesia, manifestou a sua satisfação por tão elevada participação, o que na sua opinião, “não acontece por acaso, mas sim, porque” a localidade “tem pessoas e um movimento associativo empenhado e generoso“, situação que o levou a confessar que “com gente assim vale a pena trabalhar”.

Para o autarca de freguesia, “a Quinta do Conde merece os moradores que tem, homens e mulheres que 39 anos depois da Revolução dos Cravos, se manifestam disponíveis para defender os valores e os ideais que ela nos legou, alguns dos quais se encontram vilipendiados, pelo que se torna imperioso voltar a resgatá-los,”.

De acordo ainda com Vítor Antunes, “não podemos tolerar que se penalizem todos os cidadãos para pagarmos as brincadeiras que alguns fizeram, como no caso BPN, cujo buraco dava para construir a escola secundária que a população exige, mas também o novo quartel para as forlas de segurança e três mil lares de idosos, como o que o Centro Comunitário pretende edificar.

Na mesma linha de pensamento se expressou Francisco Cordeiro, secretário da Assembleia Municipal de Sesimbra, ao referir que “em matéria de combate às desigualdades sociais, está muita coisa para concretizar, devido às políticas que têm sido seguidos por quem nos governa, assentes numa filosofia que atenta contra as populações, em particular as mais desfavorecidas.”
Ante este cenário, o deputado municipal sesimbrense, formulou votos de que “em 2014 possamos estar a festejar o 25 de Abril com outro governo e outras políticas, o mesmo será dizer, com o reatar do rumo para que apontavam os valores da revolução de 1974.”

Encerrando o período de alocuções, Augusto Pólvora, Presidente da Câmara Municipal considerou que “o Parque da Vila, se havia transformado ao longo do dia no Parque da Liberdade”, por via da massiva adesão dos quintacondenses às comemorações programadas para o local.

Na perspectiva do edil, “esta participação não surpreende, porque estamos uma localidade que sempre comungou dos ideais da liberdade e do desenvolvimento, que nos foram outorgados em Abril de 74, dado que foi depois dele conheceu o início do seu processo de requalificação.”

Na opinião do líder camarário, “estamos numa freguesia onde então viviam pouco mais de duas mil pessoas e hoje possuí cerca de trinta mil habitantes, o que, por si só, exemplifica, de modo claro, o desenvolvimento alcançado neste período de tempo, mas que” em seu entender,” a actual situação decorrente do flagelo do desemprego e da redução das pensões está a colocar em causa”.
Sustentando que “a revolução dos cravos não foi feita reduzir salários e pensões nem fomentar os desemprego e a emigração, mas sim para acabar com eles”, Augusto Pólvora, incitou a plateia “a continuar a lutar para que seja possível inverter este estado de coisas e retomar os horizontes de esperança que vislumbrámos há 39 anos.”