Festival do Caracol

Festival do Caracol

Com uma “Francesinha de Caracoleta” o Corvo de Prata venceu o IV Concurso do Festival do Caracol do Concelho de Sesimbra, que a Junta de Freguesia da Quinta do Conde promoveu. Em segundo lugar ficou o vencedor de 2012, Pica no Chão, com uma “Quiche de Caracol” e em terceiro classificou-se o Grupo Socio-Caritativo Encontra Esperança, com “Caracóis à Havaiana”. A entrega dos prémios decorreu durante a cerimónia de encerramento das festas e o presidente da Junta de Freguesia, Vítor Antunes, produziu na ocasião a seguinte intervenção:

“Termina hoje o IV Festival do Caracol. Terminam os festejos dos Santos Populares. Termina um mês de intensa atividade social, recreativa e cultural na Quinta do Conde, impulsionada pelas autarquias, pelas laboriosas associações locais e pela dinâmica comunidade educativa.  Sim, porque o mês de junho é também o do encerramento do ano letivo e com ele um vasto conjunto de atividades e ações. Podíamos também falar de desporto e dos êxitos dos clubes da Quinta do Conde neste mês de junho mas, situemo-nos nos Santos Populares. Até 2006 cada associação fazia os seus próprios festejos, no seu espaço, praticamente só para os seus associados, por vezes apenas para parte deles. Em 2007, Felícia Costa,  vice-presidente da Câmara Municipal de Sesimbra propôs este modelo de organização coletivo e oito associações aceitaram o desafio e as inequívocas vantagens, para festejar junto ao Mercado Municipal. Em 2010, porque o espaço já não comportava as dezasseis associações interessadas, o evento mudou para a Junta de Freguesia e adicionamos-lhe o Festival do Caracol. De uma única marcha popular em 2007 passámos para quatro em 2013. De um evento para cumprir calendário passámos para uma festa que auto-financia as associações participantes. Nós, autarcas, conhecedores das dificuldades e potencialidades do movimento associativo local, implementámos os princípios do provérbio chinês que sugere fornecer a cana para pescar em vez do peixe. E afiançamos, com o rigor dos números, que aqui, quem semeia colhe. Esta é a festa que idealizámos. Estamos nela e com ela. Porque queremos, porque gostamos, porque nos sentimos bem. Estamos nela e com ela como estão as associações participantes, os seus dirigentes – que felicitamos – e o povo quintacondense que a ela aderiu em massa. Estamos nela e com ela, autarcas, dirigentes associativos, povo, juntos, todos juntos a construir uma identidade. A nossa identidade. Viva a Quinta do Conde.”