Mensagem de Natal

Mensagem de Natal

Ousar pensar, esclarecer e agir!

As festas que se aproximam podem ser orientadas por sentimentos de fraternidade, paz e amor, não obstante as dificuldades, sobretudo de cariz económico, que cada vez mais portugueses enfrentam.

Todavia, porque as contrariedades, que afligem a cada dia que passa, mais e mais concidadãos nossos, não são uma inevitabilidade, junto aos sentimentos de fraternidade, paz e amor, a urgência do esclarecimento.

As adversidades que enfrentamos são consequência de políticas desastrosas para o nosso povo e para o nosso país. Políticas de saque e rapina aos trabalhadores e ao povo, que são ao mesmo tempo políticas de faustuosidade e abundância para uns quantos multimilionários que, segundo o recente relatório do banco suíço UBS, aumentaram em Portugal no ano passado e viram as suas fortunas crescerem dez por cento.

O Orçamento de Estado para 2014 insiste nas mesmas políticas, aquelas que nos últimos três anos sonegaram aos trabalhadores e ao povo muitos milhões de euros, milhões desviados da economia para a especulação, do desenvolvimento para o retrocesso.

O Orçamento do Estado insiste nas mesmas políticas: aquelas  que ao longo dos últimos anos alimentaram e alimentam os grandes grupos económicos; aquelas que estão na base da vigente – e trágica – reconfiguração económica e social; aquelas que nos deixam cada vez mais empobrecidos e dependentes.

O Orçamento insiste em políticas que para manter os privilégios de alguns destroem a vida de muitos, com a negação do emprego e de direitos a bens e serviços essenciais a uma vida digna e de qualidade.

Consequentemente, o ano que se avizinha parece ainda mais difícil que os anteriores, para a generalidade dos portugueses e para as suas instituições. Para o Poder Local também. E particularmente para a Freguesia da Quinta do Conde, que recebe cada vez menos do Orçamento do Estado; tem cada vez mais atribuições e responsabilidades e enfrenta, como as outras, muitos bloqueios e constrangimentos.

Ainda assim, a Junta de Freguesia – os seus trabalhadores e os seus eleitos – procurarão corresponder às expetativas dos quintacondenses com trabalho, dedicação e empenho. Conscientes da difícil situação económica e social do país, mas conhecedores da sua história e do modo como ultrapassou no passado situações análogas, ponderemos transformar a adversidade em esperança. Procurar nas diferenças o fator de unidade. Estimular a solidariedade e a partilha.

A todos os cidadãos: quintacondenses, sesimbrenses, portugueses, votos de boas festas em família, com saúde e um bom ano de 2014!

Vítor Antunes
(Presidente da Junta de Freguesia da Quinta do Conde)