Conjunto escultórico alusivo ao 25 de Abril perpetua valores da Revolução dos Cravos

Conjunto escultórico alusivo ao 25 de Abril perpetua valores da Revolução dos Cravos

Momento de grande significado para os habitantes da Quinta do Conde, ante o simbolismo que evidencia, a inauguração do conjunto escultórico visando perpetuar a memória e os valores da Revolução de Abril de 1974, assumiu-se um dos acontecimentos emblemáticos das comemorações do 40º aniversário da conquista da liberdade, ocorridas na freguesia.

Concebido por Carlos Bajouca e Moisés Preto Paulo, o referido trabalho, denominado “25 de Abril e a Liberdade”, formado por nove peças de diferentes dimensões, encontra-se instalado na rotunda adjacente à sede da Junta de Freguesia e constitui mais um elemento que valoriza o interessante acervo de peças de estatuária existente na localidade.

A iniciativa, promovida pela autarquia quintacondense, no quadro das festividades em torno das celebrações do 40 º aniversário da Revolução dos Cravos, pretendeu ainda realçar o contributo que a arte pública pode dar à apropriação do espaço público por parte dos cidadãos, tornando-o mais humanizado, devido à criação de pontos de referência colectivos.

No decurso da cerimónia, que contou com as presenças de uma delegação da Câmara Municipal de Sesimbra, liderada por Augusto Pólvora; Odete Graça, Presidente da Assembleia Municipal de Sesimbra; dirigentes de algumas das colectividades locais e vários moradores, Vítor Antunes, Presidente da Junta de Freguesia, explicitou o processo conducente à concretização do aludido trabalho, “uma ideia que remonta a 1994, mas que só agora foi possível realizar”, disse.

Para o autarca quintacondense, ”20 anos após o anúncio da intenção de enriquecer a Quinta do Conde e o 25 de Abril, com um monumento que perpetuasse a Revolução dos Cravos, aqui estamos a cumprir o desígnio de juntar a nossa terra à lista daquelas que esculturalmente honram o 25 de Abril”.

Por outro lado, enquanto os autores da mencionada obra, explicitavam o sentido conferido a cada um dos elementos que integram o citado conjunto escultórico, manifestando-se “honrados e orgulhosos por terem tido a possibilidade de fazer parte da história desta progressiva localidade”, Augusto Pólvora, congratulava-se com a ideia de criar esta obra e com o local escolhido para a sua instalação.

Segundo o líder camarário, “trata-se de mais um dos diversos exemplos de colaboração entre os artistas e as autarquias, através dos quais temos conseguido dotar o concelho de um diversificado conjunto de exemplares de arte pública de grande qualidade”, salientando, igualmente, haver ainda muitos espaços públicos que, na sua opinião, “merecem ser valorizados igualmente com peças de arte”.

De acordo ainda com o edil, “a melhoria das condições de vida também se afere neste tipo de coisas e o poder local tem-se felizmente conseguido afirmar, ao longo dos anos, como um verdadeiro poder popular, transformando, com a sua intervenção, a paisagem do país. A Quinta do Conde é um exemplo inequívoco disso, tornando-se não apenas na freguesia mais populosa do Concelho, mas numa clara freguesia de Abril, dotada de novos equipamentos colectivos de grande alcance social e desportivo”.