Assembleia de Freguesia no Casal do Sapo enaltece papel do Movimento associativo

Assembleia de Freguesia no Casal do Sapo enaltece papel do Movimento associativo

Com a aprovação de duas saudações relevando o papel do movimento associativo, a Assembleia de Freguesia da Quinta do Conde, enaltece o trabalho desenvolvido pelas colectividades locais, nos domínios da cultura, recreio e desporto, realçando, desse modo, o importante contributo que as mesmas têm assumido no quadro da promoção e valorização da localidade.

Os documentos aprovados no decurso da sessão realizada a 27 de Junho, destacam ainda a qualidade do trabalho patente na organização da última edição da Feira Festa e nas restantes iniciativas festivas que tradicionalmente ocorrem neste período do ano, designadamente, os Santos Populares e o Festival do Caracol.

A reunião, realizada nas instalações do Clube Desportivo e Cultura do Casal do Sapo, constituiu a primeira de um conjunto de sessões descentralizadas que o referido órgão pretende efectuar durante o actual mandato, com vista a proporcionar aos membros da assembleia, um melhor conhecimento dos problemas e anseios dos habitantes dos diferentes lugares que integram o território da freguesia.

Os trabalhos caracterizaram-se igualmente pela aprovação de três propostas de recomendação à Câmara Municipal de Sesimbra, visando a construção de um parque de merendas na área envolvente à Várzea da Ribeira de Coina; a melhoria do serviço de limpeza urbana e a requalificação urbanística da Rua Luís de Camões, assim como um voto de pesar pelo falecimento de Cândido Moreira, presidente da Associação Nacional de Freguesias.

No decurso da aludida sessão, Vítor Antunes, presidente da Junta de Freguesia, prestou ainda um amplo conjunto de esclarecimentos acerca de várias matérias constantes do relatório de actividades desenvolvidas pelo executivo entre Março e Junho de 2014, salientando diversos aspectos que a natureza sintética do aludido documento não comtempla.

No período aberto à intervenção da população, vários moradores usaram da palavra para expressar a sua mágoa quanto a alguns aspectos que condicionam a vida nesta  zona da fregeusia, nomeadamente, a dificuldade de mobilidade decorrente da falta de algumas infra-estruturas.