Chuvinha persistente e fria atrapalhou Corso Trapalhão

Chuvinha persistente e fria atrapalhou Corso Trapalhão

Uma chuvinha persistente e fria, atrapalhou, significativamente, a concretização do corso trapalhão, efectuado na tarde de 14 de fevereiro, entre o espaço envolvente à Junta de Freguesia da Quinta do Conde e o Parque da Vila.

As adversas condições climatéricas registadas no período previsto para a realização do denominado corso, não apenas afugentaram público, como chegaram a lançar a dúvida sobre a concretização da referida iniciativa, ante os estragos que a água provocava nos trajes concebidos pelas duas escolas de samba da localidade para os desfiles marcados para a sede do Concelho no domingo e terça-feira de Carnaval.

Um contratempo ultrapassado com a decisão de levar a cabo o evento sem os fatos e as plumas que adornam a indumentária dos elementos das referidas escolas, situação que, sem embargo, de retirar parte do brilho que habitualmente caracteriza este tipo de acontecimentos, não desmobilizou, contudo, as ‘passistas’  e as baterias das escolas de samba Corvo de Prata e Batuque do Conde de transformarem tal circunstância num último ensaio das suas exibições para o Carnaval sesimbrense.

Mau grado o aludido cenário, largas centenas de pessoas assistiram ao citado corso, encabeçado por umas dezenas de motards afectos ao clube motard da localidade, transformando a área adjacente ao Parque da Vila, num local de animação e festa, proporcionada pelas referidas escolas de samba, mas, também, por alguns foliões que anonimamente se juntaram à iniciativa, na qual se integrou ainda uma delegação da “Voz do Alentejo”.

O Corso Trapalhão constitui um acontecimento que marca o calendário da Freguesia da Quintado Conde, nesta época do ano, organizado pela Câmara Municipal de Sesimbra de parceria com as escolas de samba da localidade e o apoio da respectiva Junta de Freguesia.