Marcha silenciosa e reivindicativa

Marcha silenciosa e reivindicativa

Uma marcha silenciosa prestou solidariedade às famílias das vítimas do tiroteio, ocorrido recentemente na Quinta do Conde, exigindo melhores condições para as forças de segurança.

A iniciativa, promovida nas redes sociais por um grupo de cidadãos, a que se associaram alguns milhares de pessoas, muitas das quais empunhando flores brancas, teve como objectivo expressar solidariedade aos familiares da trágica ocorrência e exigir ao governo a criação de melhores condições de trabalho para os homens e mulheres que prestam serviços nas forças de segurança.

Encabeçada por familiares e amigos das vítimas e de várias organizações sindicais da Policia de Segurança Pública e Guarda Nacional Republicana, que empunhavam uma faixa onde se lia: “ Juntos somos mais fortes Luto/luta”, a manifestação percorreu um trajecto compreendido entre o espaço envolvente à Junta de Freguesia e o posto da GNR local, onde depositaram flores e cumpriram um minuto de silêncio em memória do agente falecido no aludido tiroteio, assim como dos dois outros habitantes da localidade, um deles, agente da Policia de Segurança Pública.

No final do desfile, um dos promotores da referida marcha leu uma carta que irá ser enviada à Ministra da Administração Interna, na qual manifestam os seu descontentamento e pesar pelos trágicos acontecimentos na localidade a 29 de Agosto, considerando que “os mesmos poderiam ter sido evitados se o posto da GNR dispusesse de mais efectivos e meios para enfrentar e resolver as ocorrências a que são chamados”.

De acordo ainda com a missiva dirigida a Anabela Rodrigues, “ o direito à liberdade e o direito à segurança estão consagrados na Constituição da República”, mas sublinha, “não há liberdade sem segurança”, pelo que apela à titular do MAI no sentido de reavaliar as condições de trabalho conferidas aos profissionais que exercem a sua missão nesta localidade.

A Junta de Freguesia, enquanto entidade representativa dos quintacondenses, prestou o apoio logístico solicitado pelos organizadores da mencionada iniciativa, fazendo-se ainda representar no desfile pelo presidente e outros membros do seu executivo, bem como pelo presidente da Assembleia de Freguesia.