Voz do Alentejo assinalou 20º aniversário

Voz do Alentejo assinalou 20º aniversário

A atuação de vários grupos musicais e a exibição de diversas atividades desportivas e recreativas marcaram a passagem do 20º aniversário do Centro Cultural Social e Recreativo a Voz do Alentejo da Quinta do Conde.

Agremiação cuja génese radica na criação de um grupo coral, a Voz do Alentejo na Quinta do Conde, celebrou, dia 13 de Fevereiro, o 20º aniversário da sua constituição, promovendo para o efeito um espetáculo tendente a assinalar a efeméride, à qual se associou uma numerosa assistência, autarcas e vários agrupamentos musicais da localidade.

Antecedendo o referido espetáculo, António Domingos, presidente da coletividade aniversariante expressou o contentamento dos corpos gerentes pela adesão que o evento registou, salientando que “o trabalho que realizamos nesta casa, visa promover iniciativas susceptíveis de colher o agrado dos associados e de um número cada vez maior de pessoas”.

Por seu turno, Vítor Antunes, presidente da Junta de Freguesia quintacondense, felicitou a coletividade aniversariante sublinhando a intensa atividade que tem desenvolvido ao longo da sua existência realçando a singularidade que a carateriza e as pessoas que a constituem.

De acordo com o autarca, “esta casa é o resultado da capacidade e do empenho dos associados, mas, também, o património que os seus fundadores souberam construir” evocando, a propósito a ação desenvolvida por João Carreta e João Favinha, dirigente da agremiação falecido no final de 2015.

Por isso, adiantou Vítor Antunes, “uma das formas de honrarmos a memória daquele que foi um dos alicerces da instituição, prende-se com a concretização do projeto de criação de um centro de dia no seio da colectividade, o qual merecerá certamente o apoio da Junta, como tem sucedido com os demais agentes associativos da Freguesia.”

Aproveitando ainda para anunciar a celebração, com a referida entidade associativa, de um protocolo visando a promoção de iniciativas culturais, “apesar de sermos a localidade aquela que a nível nacional menos recebe do fundo de financiamento das freguesias, sem que haja razão que o justifique,” frisou.

Usando igualmente da palavra, João Valente, presidente da Assembleia de Freguesia felicitou os sócios e dirigentes da agremiação, manifestando a sua satisfação por tomar parte nesta celebração, pois, lembrou: “ as minhas raízes também são alentejanas”.

Por sua vez, Felícia Costa, vice-presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, salientou o facto de a Voz do Alentejo ser “uma entidade associativa que adquiriu um estatuto que vai muito para além do que é usual neste tipo de instituições, pois, trata-se de uma casa de todos, que se afirmou e afirma como espaço de partilha e solidariedade entre todos os habitantes da freguesia e do concelho.”

Segundo ainda a edil “esta é uma coletividade de homens e mulheres que valorizam o património histórico e cultural da região de onde são oriundos, de uma forma anónima ou de modo público, sem menosprezarem os traços identitários das restantes regiões do país”, lembrando a esse propósito as figuras de Dinis Basílio e do malogrado João Favinha.

Para Felícia Costa, “ este é o primeiro momento festivo em que a agremiação não conta com a presença física de João Favinha, um dos seus fundadores mais destacados, não apenas pelo esforço e trabalho que dedicou à instituição, mas também pela circunstância de ser um dos pioneiros da Freguesia, dando o seu contributo para que esta terra seja aquilo que hoje é.”