Colóquio refletiu sobre violência doméstica

Colóquio refletiu sobre violência doméstica

A problemática da violência doméstica, nos seus múltiplos aspetos, constituiu o tema de um colóquio promovido pela Junta de Freguesia da Quinta do Conde, de parceria com a União das Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), tendente a assinalar o Dia Internacional da Mulher.

Com uma plateia constituída maioritariamente por mulheres, a iniciativa, realizada nas instalações da autarquia, na tarde de 8 de março, contou com a participação de Catarina Moreira e Sara Ramos em representação da referida organização não-governamental, cuja atuação incide predominantemente na defesa dos direitos das mulheres, assim como de vários elementos do executivo da autarquia.

Na ocasião Vítor Antunes, presidente da aludida Junta de Freguesia, realçou o carácter festivo da data, para salientar igualmente algumas das diversas formas de violência de que são alvo as mulheres e da pertinente necessidade de lutar para que se cumpram as disposições que a legislação portuguesa consagra em matéria de igualdade de género.

“Embora o legislador considere que a mulher portuguesa não pode ter um estatuto de menoridade social, como o que ocorre em alguns países árabes ou do norte de África, o certo é que em alguns domínios, em particular na área laboral, tal não é muitas vezes, observado, situação que tem de nos mobilizar para alterar este estado de coisas”, afirmou o líder quintacondense.

A partir da projecção de um filme feito com depoimentos de mulheres que foram acolhidas numa das casas-abrigo da citada organização e da análise de um amplo conjunto de aspectos que a película suscita, assistência e oradoras refletiram  sobre as diferentes facetas que envolvem a temática da violência e da descriminação de que são alvo as mulheres.

Dia Int Mulher