Secretário de Estado da Educação ignorou Escola Secundária

Secretário de Estado da Educação ignorou Escola Secundária

Presidente da Junta de Freguesia da Quinta do Conde alerta Secretário de Estado da Educação para desvantagens educativas e custos sociais decorrentes da ausência de uma Escola Secundária na localidade.

O alerta dirigido a João Costa, titular da referida secretaria de estado, no decurso da cerimónia de apresentação oficial do Centro Qualifica, instalado na Escola Michel Giacometti, resulta da inobservância da recomendação aprovada em 2015 pela Assembleia da República, tendente à construção do aludido estabelecimento de ensino e do constante adiamento dos problemas que a Freguesia enfrenta em matéria de instalações escolares.

Segundo Vítor Antunes, “a reclamação do mencionado equipamento e a requalificação da escola que acolhe o projeto Qualifica, na qual persistem pré-fabricados cujo estado de degradação não abona a imagem do país, não constitui a manifestação de uma vaidade, ou qualquer outro sentimento fútil, mas representa a fiel interpretação do sentir das famílias dos mil alunos que diariamente são obrigados a procurar longe da Freguesia resposta para um grau de ensino obrigatório, com consequências não apenas no aproveitamento letivo mas também nos domínios social e financeiro.”

Na ocasião, Eduardo Cruz diretor do Agrupamento de Escolas que colhe o mencionado centro de qualificação de adultos, historiou o processo de criação do aludido centro de reconhecimento de qualificações e aptidões, salientando que a sua instalação na Quinta do Conde, visa, não apenas alargar o âmbito formativo da população local, mas também de outras localidades da região.

Funcionando desde outubro e registando até ao momento uma centena de inscrições, o Centro Qualifica da Quinta do Conde constitui, na perspectiva de Anabela Fernandes, directora desta resposta educativa encontrada pelo Governo para substituir as denominadas Novas Oportunidades, uma aposta tendente a estimular todos quantos na região procuram elevar o seu grau de conhecimentos.

Para tanto, sublinhou “estabelecemos protocolos de cooperação com diversas entidades e instituições, em ordem a que possamos trabalhar em rede e consolidar parcerias visando potenciar convenientemente os recursos formativos que esta ferramenta proporciona aos cidadãos.”

De acordo com Francisco Jesus, Presidente da Câmara Municipal de Sesimbra “a formação de adultos é fundamental, razão pela qual o município prontamente se associou a esta iniciativa através de um protocolo, já que”, afirmou, “a matéria da educação é uma das traves-mestras da intervenção municipal, ante o investimento feito anualmente nesta área e nos equipamentos que a integram.”

Neste quadro, adiantou, “é nossa convicção de que o governo encontrará nesta autarquia um parceiro fundamental para resolver a ausência da mencionada escola e do ensino secundário na Freguesia da Quinta do Conde, até porque somos a Câmara Municipal que mais encargos possui com transporte escolar, em parte, devido, também, à inexistência desse estabelecimento nesta zona do concelho.”

Encerrando a cerimónia, a qual incluiu anda o descerramento de uma placa  junto à entrada do mencionado estabelecimento de ensino, o Secretário de Estado deixou sem resposta as preocupações do autarca quintacondense, realçando somente que “as parcerias com as autarquias são muito boas para o sucesso educativo.”

Além disso, na opinião de João Costa, “quando a escola e os professores investem nos adultos e estes em si próprios, estamos perante um exemplo para o país e para a gerações futuras, dado que tal processo promove conhecimento e propicia valorização, factores que concorrem para combater a exclusão. Logo,” sustentou o governante, “vale a pena estudar. A educação é um direito de todos e não apenas de uma elite. Além concorrer para a redução do desemprego, pois quanto mais alta for a qualificação que possuímos mais baixa é a taxa de desemprego.”

Na óptica do titular da Secretaria de Estado da Educação “a falência de uma sociedade mede-se pela forma como esta sabe apostar na formação dos cidadãos. E o modo como foi tratada a formação de adultos nos últimos anos, constitui um claro exemplo não apenas desse falhanço, mas de um verdadeiro crime  social.”