Festa popular valoriza ideais da Revolução de Abril

Festa popular valoriza ideais da  Revolução de Abril

Actividades recreativas, demonstrações de várias modalidades desportivas e ginástica; exibições de classes de dança contemporânea, hip-hop, folclore, danças orientais, samba, break dance e a actuação de um vasto leque de agrupamentos musicais da freguesia, constituíram a programação popular das comemorações do 44º aniversário da revolução dos cravos na Quinta do Conde.

Alicerçado numa diversidade de sugestões susceptível de contemplar todos os gostos e agradar a todas as sensibilidades, o programa concebido pela Junta de Freguesia, de parceria com as colectividades locais, mobilizando cidadãos de todas as idades, que desta forma se associaram às festividades de tão importante acontecimento da nossa História contemporânea.

Convocando gestos, cantares e sorrisos carregados de esperança, os referidos festejos, realizados no Parque da Vila, constituíram assim uma expressiva manifestação do quanto cala fundo nos quintacondenses os ideais e valores da liberdade conquistada a 25 de Abril de 1974, reflectidos na afluência de vários milhares de pessoas que acorreram ao longo de todo o dia, a esta sala de visitas da freguesia.

“A democracia é uma construção de todos nós, logo, exige que passemos aos mais novos a mensagem do que foi o sombrio tempo que antecedeu a data que hoje aqui celebramos, motivando-os a uma intervenção cívica, mau grado a negativa actuação quotidiana de alguns órgãos de informação”, afirmou Gilberto Lucas, dirigente de uma das colectividades participantes no evento, momentos antes de uma das suas representações entrar em palco.

Nesse sentido se expressaria mais tarde Vítor Antunes, Presidente da Junta de Freguesia ao sublinhar a importância da Constituição da República, aprovada em 1976 e nas condições que criou ao desenvolvimento da sociedade portuguesa.

De acordo com o autarca quintacondense, “queremos que essa chama que nos permitiu alcançar patamares de progresso que nunca até então havíamos suposto, tenha continuidade, pelo que se torna imperioso passá-la às novas gerações”, defendendo que “uma das ferramentas para a concretização desse desígnio é o movimento associativo”.

Confirmando essa perspectiva, Odete Graça, Presidente da Assembleia Municipal de Sesimbra, sustentaria a ideia de ser importante “continuarmos a comemorar o 25 de Abril, mas sem saudade, posto, sustentar que “o exercício da democracia é  algo sempre incompleto, razão pela qual tem de ser permanentemente refrescado através da elevação da qualidade de vida das populações”.

Neste quadro, argumentou ainda a líder do órgão deliberativo do município sesimbrense, “a educação, a cultura e o desporto, são áreas que nos devem mobilizar, pois assumem-se como factores relevantes em matéria de desenvolvimento do território, o qual tem de ser feito com competência e honestidade.”

Por seu lado, Francisco Jesus, Presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, aproveitaria a ocasião para ressaltar o papel da mulher no processo de transformação do país e no concelho, sem deixar de aludir a alguns elementos fundamentais à criação de um sentido de pertença e de uma identidade forte como a que se observa nesta terra.

Para o responsável camarário, “a Quinta do conde e a sua população construíram ao longo dos vários 25 de Abril essa identidade, fundada na conjugação das vontades do movimento associativo e do Poder Local, independentemente das convicções políticas de cada um dos agentes.”