INFO QUINTA DO CONDE

INFO QUINTA DO CONDE

Está em distribuição o boletim informativo de junho, da Junta de Freguesia da Quinta do Conde, que para além do resumo da atividade realizada no último semestre e daquela que que se prevê no futuro próximo, destaca a intervenção das autarquias na Várzea da Quinta do Conde.

A questão, essencialmente estética, das ervas nas parcelas sem construção e nos passeios das ruas, constitui o tema do editorial que subordinado ao título “Por uma Quinta do Conde mais aprazível” a seguir se transcreve:

“A abundância de ervas, que nesta fase do ano, se observam nas parcelas de terreno sem construção e nos passeios das ruas da Quinta do Conde constituem uma inquietação para a Junta de Freguesia, sobretudo de natureza estética.

São consequência de dois fatores:  após longo período de seca seguiu-se outro de persistente chuva. Este último produziu dois efeitos: o crescimento acelerado das ervas e a redução da capacidade de intervenção às equipas da Junta de Freguesia que procedem à eliminação das ervas dos passeios.

A Junta de Freguesia da Quinta do Conde assumiu com a Câmara Municipal de Sesimbra, através de “Acordo de Execução”  a intenção de eliminar as ervas das bermas e passeios dos arruamentos da vila da Quinta do Conde e é ao cumprimento desse compromisso que dá prioridade, consciente das dificuldades, porque os recursos humanos são limitados e as ervas crescem ao mesmo tempo em cada um dos passeios das mais de trezentas ruas da Quinta do Conde. São mais de cem quilómetros de ruas, portanto mais de duzentos quilómetros de passeios…

Quanto às parcelas sem construção onde também abundam ervas, a responsabilidade incide, em primeiro lugar, no respetivo proprietário cabendo à Câmara Municipal a respetiva notificação ou intervenção.

Importa porém destacar que as inquietações de agora são consequência da evolução da Quinta do Conde. Desde 2009, quando chegámos à Junta de Freguesia, dedicamos muito do nosso esforço ao corte de matos em extensas parcelas da Vila.  Com os matos a  preocupação não se limitava a questões estéticas, porque comportava risco sério de incêndio.

Nestas circunstâncias vemos com simpatia e apreço a colaboração de muitos quintacondenses nesta tarefa cívica de tornar a Quinta do Conde mais aprazível e atrativa, através da remoção das ervas nas imediações das suas habitações. Também a esses, a nossa gratidão.”