Música popular e rock português abriram 28º edição da Feira Festa

Música popular e rock português abriram 28º edição da Feira Festa

A música popular e o rock feito em Portugal nos anos 80 tiveram honras de abertura da 28ª edição da Feira Festa, acontecimento que se prolongará até 10 de Junho e que, ano após ano, concita a atenção dos habitantes da Quinta do Conde, do concelho de Sesimbra e da região.

Na cerimónia inaugural, ocorrida na noite de 1 de Junho, Afonso Esteves, presidente da Comissão Organizadora do referido evento, com o qual se inicia um programa de festividades que se estende ao longo de todo o mês, salientou tratar-se de uma iniciativa anual resultante do trabalho conjunto do movimento associativo, levado a efeito de parceria com a Junta de Freguesia, a Câmara Municipal de Sesimbra e o comércio local.

Apresentando um programa que dá espaço a agrupamentos da localidade ou a artistas que com ela mantêm ou mantiveram alguma ligação, a aludida realização constitui, assim, um momento de valorização da denominada “prata da casa”, evidenciando os seus talentos e aptidões.

Isso mesmo seria, de resto, sublinhado por Vítor Antunes, presidente da Junta de Freguesia quintacondense ao referir que a autarquia “está de alma e coração com a organização do maior certame festivo da localidade, expresso no aumento do número de pavilhões que regista a cada edição e na sua capacidade de atrair visitantes à Freguesia nesta época do ano ”.

Neste contexto, segundo ainda o autarca, “encaramos o desejo de estudarmos a possibilidade de ampliar as vertentes organizativas da festa, assumindo também a sua componente lúdica, ou seja, a vertente da feira que a caracteriza”.

Por sua vez, Francisco Jesus, presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, sustenta que o aludido evento, legitimamente considerado o maior evento do género do concelho de Sesimbra nesta quadra festiva, “radica na capacidade evidenciada pelo movimento associativo da Quinta do Conde e pela determinação com que constrói a identidade local, assente em valores intrínsecos à própria comunidade e que dela genuinamente emanam.”

De acordo ainda com o líder camarário, “sabemos das carências que ainda existem na Freguesia em diversos domínios, mas isso, acaba por relevar ainda mais a realização deste certame, o qual nos deve mobilizar para equacionarmos a eventualidade de aumentarmos a nossa participação nas próximas edições.”