Bispo de Setúbal em visita à Quinta do Conde

Bispo de Setúbal em visita à Quinta do Conde

O Bispo de Setúbal, D. José Ornelas de Carvalho, iniciou na Junta de Freguesia uma visita pastoral à Quinta do Conde, subordinada ao tema “Juventude”, evento que contempla encontros com instituições que directa ou indirectamente desenvolvem a sua actividade nesta área.

Recebido por vários membros do executivo e trabalhadores da autarquia, no decurso da referida visita, ocorrida a 21 de Janeiro, o responsável da Igreja Católica no Distrito, teve oportunidade estabelecer uma conversa informal com funcionários e dirigentes da instituição que representa a comunidade quintacondense, em ordem a acolher as suas opiniões torno da temática que preside à aludida deslocação.

Saudando a oportunidade de tal iniciativa, Vítor Antunes, Presidente da citada Junta de Freguesia, considerou natural a vinda do prelado à Vila da Quinta do Conde, em resultado de se tratar de uma das localidades da região e do país com mais elevadas taxas de população juvenil.

De acordo ainda com o autarca quintacondense, “esta visita e a temática que a ela preside, confirmam a atenção que a Igreja tem sabido conferir, desde os anos 80 de século passado, à evolução desta terra, reiterando assim a sua condição de pilar importante no processo da sua criação, enquanto aglomerado populacional, mas também na consolidação das suas raízes identitárias, assumindo-se como um relevante parceiro no trabalho que desenvolvemos, visando a melhoria das condições de vida de quantos aqui se radicaram.”

Para D. José Ornelas de Carvalho, “constitui uma alegria constatar a evolução demográfica e social operada nas últimas décadas neste território em resultado do labor das suas instituições, em especial no que concerne à sua capacidade de afirmarem a semente e o fermento do desenvolvimento e do empenho que colocam na resolução dos problemas das pessoas que nele habitam.”

Neste contexto, manifestou-se preocupado com a ausência de um organismo intermédio capaz de articular os anseios de cada região e o Poder Central, revelando, a esse propósito, “acompanhar com interesse o processo que se prende com a reivindicação de uma escola secundária nesta Freguesia” ao mesmo tempo que relembrou o legado deixado por D. Manuel da Silva Martins, primeiro Bispo de Setúbal e o papel que, ao tempo, este assumiu enquanto porta-voz dos mais necessitados.

Segundo igualmente o responsável máximo pela Diocese de Setúbal, “a ausência dessa estrutura dificulta a missão daqueles que no terreno tentam encontrar soluções que respondam aos anseios e necessidades dos jovens. De outro modo”, salientou, estamos a permitir a sua manipulação e o aparecimento de falácias assentes nas ‘virtudes’ da construção de muros, valores que afrontam o espírito da igreja.”

Na opinião do responsável eclesiástico setubalense, “não é sério fazer crer aos jovens que a globalização resolve os seus problemas, mas sim, passar-lhes a mensagem de que são eles que têm de assumir o desafio da transformação da sociedade, missão da qual não se podem abster ou demitir, visto que a grande revolução é da mente e da cultura, pois o uso da força não constrói um mundo melhor.”