Quinta do Conde celebrou o “25 de Abril”, a “Revolução dos Cravos”

Quinta do Conde celebrou o “25 de Abril”, a “Revolução dos Cravos”

O cancelamento do espectáculo musical e o lançamento do fogo de artificio marcados para a noite de 24 de Abril, devido ao mau tempo, não impediu todavia que a população da Quinta do Conde celebrasse ao longo do dia 25 os 45 anos da Revolução de Abril de 1974.

Um diversificado programa de actividades lúdicas, desportivas e culturais, organizado pela Junta de Freguesia de parceria com as colectividades e associações locais, mobilizando, ao longo de todo o dia, as diferentes franjas etárias da população, tornando o Parque da Vila no palco das festividades populares e o ponto de encontro da comunidade quintacondense.

Stands e tasquinhas, jogos tradicionais, a realização de pintura ao vivo, demonstração de capoeira, hip hop, samba, luta, karaté, Jiu-Jitsu, futebol e futsal, entre outras, assim como a exibição de um extenso conjunto de grupos corais e instrumentais, de agrupamentos afectos às diferentes agremiações sediadas na freguesia, incluindo o folclore, marcaram os festejos do Dia da Liberdade, fazendo afluir à principal sala de visitas da localidade alguns milhares de pessoas, conferindo a essa data o carácter festivo e fraterno que está na sua génese.

Num curto intervalo entre a actuação de dois dos inúmeros grupos que deram o seu contributo a esta verdadeira festa popular, os responsáveis pelas instituições autárquicas do concelho e da freguesia saudaram todos quantos tomaram parte no evento e no decurso do qual, João Narciso, secretário da Assembleia Municipal de Sesimbra, leu um documento aprovado por aquele órgão, sublinhando o contributo da população na melhoria das condições de vida de quem nele reside ou trabalha.

Por isso, sustenta o aludido documento,”comemorar Abril é igualmente pugnar por uma perspectiva económica enquanto papel essencial e dinamizador, com realce para o investimento público e em especial nas actividades económicas, nomeadamente na indústria, na agricultura e nas pescas”.

Para Vítor Antunes, presidente da autarquia quintacondense, a Quinta do Conde é uma freguesia de Abril, quer por ter obtido esse estatuto administrativo anos depois da institucionalização da democracia, quer por honrar e dignificar diariamente os ideais democráticos.

De acordo com o autarca “não obstante o negativismo protagonizado por alguns, damos resposta aos problemas do dia-a-dia dos habitantes desta terra e preparamos novos eventos, atentos a todos os estratos da população, seja do ponto de vista social, etário ou geográfico, prestigiando, desse modo o poder Local.”

Segundo ainda Vítor Antunes, é nesse quadro que se inscreve “a união de esforços, tendente a exigir a construção de uma escola secundária na freguesia, a reivindicação de condições dignas e igualitárias na prestação de cuidados de saúde, um lar de idosos, uma estrutura de atendimento da segurança social e a edificação de um quartel para as forças de segurança”.

Presente igualmente nos referidos festejos, Francisco Jesus, Presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, recordou o quadro que se vivia antes da Revolução, realçando a criação de estruturas de apoio aos cidadãos criadas nestes 45 anos, no domínio dos serviços sociais do Estado, designadamente nas áreas da saúde, segurança social e serviços públicos.

“Isso não obsta a que enfrentemos hoje novos perigos, decorrentes de manifestações populistas que desafiam os valores democráticos, em resultado de algumas práticas semelhantes àquelas que caracterizavam o regime derrubado em 1974,”sustentou.

Neste contexto, referiu, “o esclarecimento dos cidadãos afigura-se determinante para a criação de melhores condições de vida, logo, tudo o que fazemos na área do concelho visa salvaguardar esses valores, concretizando equipamentos que não sendo da nossa responsabilidade, temos realizado, ou contribuindo para a adopção de medidas tendentes a elevar a qualidade de vida dos cidadãos, como foi a recente redução do preço dos passes sociais.”