Prata da casa emoldurada por nomes conhecidos constitui programa da Feira Festa 2019

Prata da casa emoldurada por nomes conhecidos constitui programa da Feira Festa 2019

Um significativo leque de agrupamentos da freguesia emoldurados por um amplo conjunto de artistas conhecidos do panorama musical português, constituem o programa de espectáculos previstos para a 29º edição da Feira Festa, que decorrerá na Quinta do Conde entre 7 e 16 de Junho.

Contemplando quase todos os géneros musicais, com particular destaque para a denominada canção ligeira, pop, rock, folclore e a música popular, a programação do evento, constitui uma aposta na promoção e divulgação da apelidada “prata da casa”, quer por motivos financeiros quer, pela necessidade de mostrar a quem visite o certame, a qualidade dos agentes culturais da localidade e a seriedade com que desenvolvem o seu trabalho.

Apresentado no decurso de um encontro com a imprensa promovido pela comissão organizadora daquela que se assume como a maior realização festiva da freguesia nesta época do ano, o aludido programa inclui diversas figuras do nosso meio artístico, como Toy, Nuno Norte, vencedor da 1ª edição do Concurso Ídolos, Eduardo Santana e João Miguel, mas também bandas como Akunamatata, XPTO e Oitentamente, assim como uma expressiva representação da música popular de que são exemplo os agrupamentos Sons do Minho, Ventos Alentejanos, ou o Grupo Musical Ecos, entre outros.

A par destas propostas, o leque de espectáculos consagra ainda um espaço de afirmação do folclore e da etnografia, expresso na realização do 2º Festival da localidade, no qual actuarão os ranchos do Clube das Arroteias (Alhos Vedros), Etnográfico “Os Camponeses de Arraiolos”, o Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra e os seus congéneres Flores de Serpins (Lousã), assim como o Grupo Coral a Voz do Alentejo (Quinta do Conde).

No referido encontro, efectuado na sede da Junta de Freguesia, a24 de Maio, Vítor Antunes, presidente da autarquia uma das entidades patrocinadoras do certame, congratulou-se com mais uma edição da aludida festividade de cariz popular, levada efeito por uma instituição que emana do movimento associativo local, salientando que “a concepção do mencionado programa de espectáculos resulta das possibilidades que a comissão possui, logo, radica numa cuidada gestão do evento, em ordem a não gerar prejuízos e por consequência a não deixar dividas a quem quer que seja”.

Para Afonso Esteves, presidente da instituição organizadora, “trata-se de uma iniciativa organizada pela comissão criada há doze anos para o efeito e ao longo deste período nunca chegámos a fim de nenhuma edição com dividas, nem com saldo deficitário, porque não entramos em aventuras, pois só vamos onde as nossas possibilidades no-lo permitem”.

Com um orçamento global de 90 mil euros, provenientes do patrocínio da Câmara Municipal de Sesimbra, a qual assume ainda o apoio logístico, mas arrecada a receita dos espaços de divertimento e carrosséis; da Junta de Freguesia da Quinta do Conde e das receitas que obtemos com o aluguer dos stands comerciais, a realização da referida festividade, segundo o dirigente associativo “ é assim, um exercício de grande equilíbrio, que exclui qualquer tipo de veleidades que coloquem em causa a dignidade de quem a ela se associa”.

Questionado sobre a futura localização da citada feira festa, Afonso Esteves, que na ocasião se fazia acompanhar de José Zeferino, responsável pela vertente artística do certame, afirmou desconhecer oficialmente para que local a edilidade tenciona transferir o evento.

Em todo o caso, adiantou Vítor Antunes, “a Junta admite que haverá concerteza na Quinta do Conde, espaços que possam acolher a este acontecimento, remetendo-o para uma zona com menos densidade populacional sem que isso afecte a sua manutenção e o seu desenvolvimento.”