Três alunos da Escola Básica do Castelo foram “eleitos por um dia” na Quinta do Conde

Três alunos da Escola Básica do Castelo foram “eleitos por um dia” na Quinta do Conde

Beatriz Freitas, Almer Hultgren e Francisco Mendes, alunos do 8º ano da Escola Básica do Castelo, do Agrupamento de Escolas de Sampaio, viveram na Quinta do Conde a experiência de serem “eleitos por um dia”, tomando, assim, contacto com a realidade quotidiana de um autarca de freguesia.

A iniciativa realizada a 11 de Fevereiro, no quadro do projecto Assembleia Municipal de Jovens, promovido pela Assembleia Municipal de Sesimbra, visa proporcionar aos jovens nela envolvidos, um conhecimento “in loco” das ocupações diárias de um presidente de junta e dos múltiplos afazeres que caracterizam a sua actividade.

Por esse motivo os referidos alunos cumpriram um vasto programa tendente a conhecerem a realidade local, quer no interior da autarquia, quer fora dela, acompanhando o funcionamento dos respectivos serviços nas diferentes tarefas que lhes estão atribuídas.

Para tanto, segundo informaram, participaram em reuniões de atendimento público efectuadas por Vítor Antunes presidente aludida autarquia e tomaram parte noutras realizadas com agentes locais, nomeadamente escolas, no decurso das quais estiveram em discussão a concretização de alguns projectos concebidos pelos estabelecimentos de ensino.

No final da sua estada na mais jovem freguesia do Concelho de Sesimbra, os referidos jovens expressaram-se agradados com a experiência, a qual lhes facultou uma visão do que é gerir uma Junta de Freguesia, da complexidade e exigências que coloca a quem está investido nessa funções.

Para Francisco Mendes, o balanço desta deslocação é muito positiva, pois, “possibilitou-nos conhecer a realidade da Quinta do Conde, nos seus diversos aspectos, situação que nos confere uma ideia mais exacta da localidade, quer do ponto de vista social, quer urbanístico, quer ainda pela diversidade cultural em que se alicerça a sua identidade, uma vez que vivemos num espaço territorial completamente diferente.”

De acordo com Beatriz Freitas, esta jornada permitiu-nos, igualmente, eliminar a ideia de que os presidentes das autarquias são pessoas quase inacessíveis, que passam quase todo o tempo nos gabinetes, em funções administrativas, sem contactar directamente com os cidadãos.

“Nada mais errado. Pelo menos neste caso, tendo em consideração que grande parte do dia que aqui passámos, decorreu na rua, acompanhando o presidente a solucionar problemas e no seu contacto permanente com os moradores. Aprendemos muito com tudo o que pudemos ver ao longo do dia”, afirmou.

Além disso, acrescenta Almer Hultgren, “constatámos que ao invés do que pensávamos, o presidente é uma pessoa permanentemente disponível, em função do que nos foi dado ver e possuidor do sentido de humor que supunha-mos faltar aos políticos, devido à imagem formal que os caracteriza.”

Na Quinta do Conde, conclui, “os habitantes têm um presidente simpático, sempre pronto a descontrair as pessoas com uma piada e no que nos diz respeito, com uma linguagem muito acessível à nossa geração.”