Especialistas debateram em Sesimbra riscos do processo erosivo da orla costeira

Especialistas debateram em Sesimbra riscos do processo erosivo da orla costeira

Os “processos erosivos e a movimentação de massas” no território nacional, em particular na faixa litoral, constituiu o tema de uma conferência tendente a refletir sobre a prevenção dos riscos provocados por fenómenos naturais e pela intervenção humana, realizada para assinalar o Dia Internacional da Proteção Civil.

Reunindo especialistas em diversos domínios do conhecimento e técnicos das diferentes áreas ligadas à proteção civil, a iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Sesimbra, a 3 de Março, no Cine Teatro João Mota, pretendeu constituir-se num momento de debate entre os vários agentes intervenientes nas múltiplas vertentes em que assenta esta temática.

Aberto pela Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, o encontro visou ainda sublinhar a importância de um amplo conjunto de matérias, tendentes a minimizar os efeitos das ocorrências, quer por via da sua prevenção, quer pela eficiente resposta das entidades ligadas às operações de prestação de socorro.

De acordo com a responsável pela referida Secretaria de Estado “esta é uma área de grande complexidade, constituindo, por isso, uma prioridade da ação governativa, pelo que a sua atuação visa o trabalho conjunto de todas as entidades intervenientes neste processo, em ordem a encontrar as melhores soluções para responder aos acontecimentos que iremos enfrentar”.

Para tanto, segundo Patricia Gaspar, “é necessário que tenhamos as melhores ferramentas, posto estarmos ante um cenário de vulnerabilidades que nos obriga a procurar a máxima proteção dos cidadãos, não se esgotando na pasta da administração interna, mas exigindo igualmente um aprofundado conhecimento técnico e científico, dado que sem estas duas dimensões pouco se conseguirá fazer, em virtude do desafio que temos pela frente ser de grande dimensão.”

Segundo Celso Pinto, técnico da Agência Portuguesa do Ambiente, metade da faixa costeira de Portugal continental sofre um claro fenómeno de erosão, provocado pela ação direta do mar, mas também por intervenção direta do homem, devido à ocupação do solo, designadamente pela construção em locais bastante sensíveis senão mesmo em zonas de proteção costeira, situação que acarreta evidentes riscos do ponto de vista da defesa de pessoas e bens e da preservação dos ecossistemas “.

Neste quadro, sustenta o referido especialista, “o reforço do conhecimento e a adoção de medidas restritivas a essa ocupação do solo são fatores determinantes para prevenir ocorrências e elevar a qualidade de resposta às situações que inevitavelmente irão registar-se com maior frequência, por mor das alterações climáticas.

Ruben Dias, do Laboratório Nacional de Energia e Geologia dissertou sobre o “Movimentos de Massa e a Importância da Cartografia Geológica na sua Avaliação”. Sandra Serrano, da Direção de Serviços de Riscos e Planeamento da Auto¬ridade Nacional de Emergência e Proteção Civil abordou o tema “A Importância do Planeamento de Emergência”. Paulo Alcobia Portugal, Capitão do Porto de Setúbal, intitulou a sua intervenção  “Da Prevenção ao Socor¬ro – A Busca e Salvamento no Mar e Orla Costeira”.  O Comandante Richard Marques, do Serviço Municipal de Proteção Civil de Portimão apresentou “Os Desafios da Proteção e Socorro numa Cidade Costeira”. António Godinho, do Serviço Municipal de Proteção Civil de Almada, falou de “Almada: Riscos Costei¬ros, do Conhecimento do Risco à Gestão de Emergência”.  Marta Bastos e Marta Franco, do Serviço Municipal de Proteção Civil de Sesimbra, abordaram o tema “Gestão Integrada das Arribas da Costa de Sesimbra” e  Elísio Oliveira, Comandante Distrital de Operações e Socorro de Setúbal,falou da “Organização da Resposta – Comando, Controlo e Coordenação”.

Francisco Jesus, Presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, encerrou a conferência, congratulando-se com a presença da Secretária de Estado, Patrícia Gaspar, bem como dos diferentes oradores  e do contributo que deram para uma análise mais aprofundada das várias vertentes que envolvem  esta problemática. Procedeu depois, no átrio na Biblioteca Municipal de Sesimbra, à abertura da exposição sobre o Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil do Concelho de Sesimbra.