Televisões “descobriram” a Quinta do Conde

Televisões “descobriram” a Quinta do Conde

A Quinta do Conde despertou em poucos dias a atenção das televisões que aqui “descobriram” dois problemas de acumulação de lixos, um dos quais identificado e acompanhado há vários anos e outro, perfeitamente escondido e praticamente impercetível do exterior, sendo que neste caso um vizinho terá alertado autoridades por quatro vezes.

Importa sublinhar que este caso só chegou ao conhecimento da Junta de Freguesia pela comunicação social, portanto, mesmo limitada nos recursos, a Junta de Freguesia não fez qualquer diligência anterior porque não conhecia o problema nem ele alguma vez lhe fora comunicado.

A situação mais antiga choca com a falta de disponibilidade de algumas autoridades para trabalhar em rede (intervenção coordenada com outras) e, também, a pouca disponibilidade da família (cinco filhos) para colaborar. E já lá vão 23 anos!

Estes casos merecem alguma ponderação quanto ao papel das autoridades designadamente no que concerne à coordenação das intervenções e, também, quanto ao nosso papel enquanto vizinhos.

Em ambos os casos o problema principal não tem natureza financeira mas sim índole sanitária e só pode estranhar terem sido observados dois casos entre os 30 mil habitantes da Quinta do Conde quem tem andado distraído quando referimos a crónica falta de médicos de saúde mental no distrito de Setúbal e concretamente no nosso hospital de referência, o Hospital de São Bernardo.

Reforçar o Serviço Nacional de Saúde nas suas diferentes vertentes tem de passar da exigência à concretização.